Entender o que é fluxo de caixa significa aumentar sua margem de manobra, afinal, esse é o método de controle financeiro por excelência. Das grandes corporações aos microempreendimentos familiares, não há quem não precise desse instrumento fundamental de aferição da movimentação de valores.

Esse movimento, por sua vez, deve ser registrado com total precisão, de preferência utilizando recursos tecnológicos para automação de tarefas. Afinal, é pelo fluxo de caixa que você deverá extrair dados para tomar decisões e fazer seu planejamento.

Continue lendo e veja como você pode começar a tomar as rédeas das suas finanças com métodos testados e aprovados!

Registre todas as movimentações financeiras

A principal função do fluxo de caixa é ser um repositório de dados financeiros, em que você deverá lançar toda e qualquer movimentação. A compra de um lápis, passando pelo abastecimento de veículos até a aquisição de um imóvel, tudo deverá ser anotado.

Para isso, existem ferramentas gratuitas em que você poderá fazer seus lançamentos manualmente, ou softwares, gratuitos ou pagos. Incorpore-os às suas rotinas e torne o registro de movimentações uma prática constante.

Mantenha os dados atualizados

Considere que, por meio do controle diário e ininterrupto de suas atividades, você formará uma espécie de banco de dados que, no futuro, se revelará valioso para a formação de estratégias.

O lançamento minucioso de suas finanças permitirá tomar decisões muito mais embasadas. Será possível, por exemplo, confirmar se em determinado período do ano suas vendas aumentam ou diminuem, afinal, você terá um histórico confiável.

Portanto, jamais deixe de atualizar os dados, pois serão eles que vão orientá-lo na hora de decidir por cortes ou investimentos.

Planeje em curto e longo prazo

Como já destacado, saber o que é fluxo de caixa equivale a zelar pelo registro de suas movimentações financeiras. Assim sendo, é por ele que você poderá antecipar o chamado Ciclo Operacional.

Consiste no mapeamento, em formato de linha do tempo, de todas as operações necessárias para que um negócio seja concretizado e gere resultados.

Seria algo assim:

Aquisição de matéria prima → Pagamentos a fornecedores → Venda → Entrega ao cliente  

Identifique receitas e despesas

Para a que o seu fluxo de caixa seja, de fato, um mecanismo para controle, você deverá identificar também suas receitas e despesas. No caso das despesas, categorize-as em fixas e variáveis.

De forma resumida, despesas fixas são aquelas que permanecem estáveis, não importa o quanto você produza ou deixe de produzir. Já as variáveis, como o termo indica, são as que oscilam conforme você incrementa ou reduz sua produção.

Exemplos de despesas fixas são os valores pagos em aluguéis, salários fixos e impostos municipais. Já como despesas variáveis, podemos destacar valores pagos a título de comissão, insumos e transporte de mercadorias.

Avalie o capital de giro

O controle diário das finanças também se presta para garantir a continuidade de suas operações, que só poderão ser materializadas por meio do capital de giro.

Assim, se seus balanços apontam para a falta de recursos para financiar suas atividades, é sinal de que está faltando capital. É o que acontece em empresas com pouco ou nenhum controle das finanças. Nelas, é comum recorrer a empréstimos para custear despesas como salários e pagamentos a fornecedores.

Com a utilização sistemática de ferramentas de controle e compreendendo o que é fluxo de caixa em sentido amplo, você fica íntimo das suas movimentações financeiras. Dessa forma, não será pego desprevenido. Seu capital de giro estará sempre garantido, assim como a saúde financeira do seu negócio.

Junto ao controle das finanças você também precisa desenvolver em uma base diária a sua gestão empresarial. Aprenda como fazer e conheça as melhores práticas!